sábado, 24 de julho de 2010














Gosto das árvores, de ficar deitado enquanto escuto os sussurros dos galhos rasparem na vidraça. Quanto a dizer o que são as árvores, não mais sei do que somente admira-las . E no entanto, isso perdura enquanto há vida.
Após a vida, a queda lenta dos pedúnculos verdes, enchendo o cálice da flor, à medida que vira, e nos enche de luz - momentos no qual a corola da fêmea flor exibi a nudez disfarçada entre tantos outros detalhes - banhando-nos com uma sensação ininteligével, talvez um desejo para persistir, algo que incita o apetite de viver; e viver apenas.



























[junior ferreira]

9 comentários:

  1. E tem algo melhor que viver? Seja contemplando e ouvindo os sussuros das árvores, ou no sentido literal da palavra?...

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Obrigada pelo comentário! E não me sinto nesse conto mais, mas tenho um carinho enorme por ele por ser o primeiro conto...me trazem lembranças boas!
    Abraços e muitos parabéns por esse post, o Franck disse acima tudo que pensei!

    ResponderExcluir
  3. Gostei do escrito. Gostei da descrição e de como você levou o pequeno conto. Além disso, gosto de textos que envolvem natureza.

    ResponderExcluir
  4. a maneira como expoe os detalhes dos seus sentidos fomenta teu espaço, sublime!

    te sigo, abraço

    ResponderExcluir
  5. Oi Junior! Gostei muitoo de seu blog, vc escreve muito bem!
    Estou te seguindo, se puder visite meu blog e me siga tb :)

    Grande beijo

    ResponderExcluir
  6. E a beleza da vida sempre se encontra em pequenos detalhes, não é mesmo???

    BEijos na Alma

    >>>Dani

    ResponderExcluir
  7. Tb compartilho os mesmos sentimentos. Coisas simples,como ouvir o barulho do vento batendo nas folhas das arvores, sao maravilhosos!

    ResponderExcluir