sexta-feira, 9 de julho de 2010














Arrumei as cadeiras em certas posições ao redor da mesa, ainda quadrada. Dissonante, a pintura da parede não se convergiu ao conjunto que eu organizei no meio da sala.
Após arrumar as cadeiras, na mesa, geometricamente, coloquei os talheres. Voltei-me ao forno, o frango ja estava dourado, não há o que impeça agora, de servi-lo da minha maneira. Sentei-me e aguardei o tempo combinado pelos amigos. Esperei. O tempo fez o seu trabalho e me fez cochilar. O frango havia esfriado, quando acordei, e os talheres estavam da mesma maneira. Resolvi servir-me então. A idéia de ter algum diálogo numa sexta-feira fora deixada pela primeira garfada, e ocorreram longos e duradouros monólogos até a ultima gota de vinho.
Ao encerrar disse a mim mesmo que iria comprar livros.






















[junior ferreira]

Um comentário:

  1. Intenso e poético teu espaço, parabéns pela abordagem, te seguirei!

    ResponderExcluir